Arquivo de 'Entrevistas'



Louis Tomlinson está tendo uma crise de um quarto de idade

Em entrevista à revista Cosmopolitan, com direito à sessão de fotos, Louis falou sobre como se sente tendo quase 30 anos, sua música e uma possível futura reunião da One Direction. Confira a tradução:

À frente do seu primeiro álbum solo, o antigo membro da One Direction fala sobre ser autêntico, abraçar os fãs e porque as ressacas são infinitamente piores aos 27 anos.

São três da tarde, num sábado, e Louis Tomlinson está casualmente tentando pegar cigarros com a sua boca. Ele está numa calçada do Brooklyn, matando tempo entre fotos para sua sessão de fotos da Cosmopolitan, na frente de um amigo que está a quase dois metros de distância.

Após a deixa de Louis, não-Louis joga um cigarro na direção geral da boca de Louis, aberta, o jeito que garotos de ensino médio fazem com Swedish Fish (doce em formato de peixe) durante o almoço. Ele erra. Não-Louis tenta de novo. Outro erro. Daí, numa terceira tentativa, não-Louis finalmente pega o cigarro, e o acende e imediatamente apaga quando é chamado de volta ao set.

Como o membro mais velho do grupo mega bem sucedido antes conhecido como One Direction, Louis está para embarcar na carreira solo que seus colegas Zayn Malik e Harry Styles começaram dois anos a sua frente. Seu primeiro álbum solo Walls está marcado para lançar no fim desse mês. O som tem mais alma – menos galã adolescente, mais homem maduro que não está tentando ficar com toda menina adolescente no mundo que tem uma queda por ele. Ele até parece mais maduro, em parte porque não está mais tentando fazer aquele cabelo de boyband fofo. Sim, e ele nunca se sentiu mais atento à sua idade.

“Eu nunca estive mais consciente com a minha idade do que aos 27,” ele me diz algumas horas depois enquanto nos sentamos num sofá num estúdio fotográfico agora vazio, com uma luz de tarde perfeita para tirar uma selfie passando pelas janelas, ainda obviamente cuidando de uma ressaca da noite anterior. “Quando você está no fim dos 20, você está num estágio engraçado da sua vida – você não está aqui há muito tempo, mas também não é jovem, você está nesse estágio transitório estranho,” ele continua.

“Isso tem sido bem aparente na minha vida, e estou sempre tentando ser o mais imaturo que posso ser, para balancear tudo. Só tem um tanto que você pode se safar por um tempo.”

Ninguém culparia Louis por tentar recuperar um pouco da sua juventude enquanto ele ainda pode. Nos últimos quatro anos, ele passou por mudanças o bastante para transformá-lo de uma criança de cara nova numa boyband para um adulto com obstáculos muito reais em seu caminho. Em 2016, ele perdeu sua mãe para o câncer. Três anos depois, sua irmã mais nova faleceu após uma overdose acidental.

Nesse mesmo período de tempo, ele se tornou pai e viu o término da One Direction – perdão, ‘hiatus’, não término. Enquanto seus colegas de banda puderam ir em turnês mundiais e participar de campanhas de fragrâncias para  Gucci, ele teve sérias razões para adiar o lançamento do seu álbum.

Sua nova música reflete o luto, acima de tudo. Na faixa “Two Of Us”, ele canta de forma vulnerável: “Eu sei que você estará olhando para baixo, prometo que vou te deixar orgulhosa / eu estarei vivendo uma vida para nós dois.” Mas há muito tempo passando na ideia de se apaixonar, também. Veja: “We Made It”, no que ele se lembra de passar fins de semana na faculdade com sua namorada enquanto ela estudava.

Oh, eu lembro daquelas noites.

Te encontrei na sua universidade, bebidas baratas

Bebê-las a noite toda

Ficando fora até o nascer do sol

Dividindo uma cama de solteiro e contar um para o outro os nossos sonhos

Essas letras são mais pessoais do que aquelas que você encontra nos singles que ele lançou quando saiu da banda, antes da sua carreira solo ter atrasado por causa de todos seus problemas pessoais. As primeiras músicas são muito boas, mas não eram ele-ele.

“Eu estava fazendo música para conseguir rádios, e não estava fazendo as decisões certas para mim em termos de música,” ele diz.

“Eu respeito os artistas com quem trabalhei e respeito as músicas, absolutamente, mas, olhando para trás, não era necessariamente verdade para mim.”

Essa é parte do porquê ele se distanciou de colaborações em Walls. Ele sente que precisa criar uma imagem para si separada de outras pessoas – há quatro nomes específicos que surgem na mente. “Eu tenho que ficar me levantar e dizer, ‘essa é minha identidade. Isso é o que sou como artista,’” ele diz.

Dito isso, a promoção de álbum sozinho não é exatamente fácil – especialmente quando você está bem acostumado em fazer esse trabalho como parte de uma unidade. As entrevistas, as sessões de fotos, as sessões em estúdios, os shows eram todas situações que ele podia se apoiar em seus colegas de banda no passado.

Como, digamos, se ele aparecesse de ressaca para algo, ele podia normalmente depender de Harry, Liam, Niall ou Zayn para estarem o melhor possível. Mas agora, é só ele. A única coisa que não parece diferente, apesar disso, são os fãs, que tem uma reputação de serem absolutamente obstinados.

“Eles ainda são tão frenéticos e loucos, na melhor forma possível, “ ele diz. Num meet & greet recente, ele conheceu uma garota que lhe disse que a primeira vez que ela ouviu uma música da One Direction, ela tinha 11 anos. Agora, ela tem 19 ou 20 anos, o que significa que Louis tem sido parte da sua vida por quase metade dela. “Esse é um conceito louco,” ele continua. “Eu saí daquele meet & greet pensando sobre o fato de que ela ainda era muito nova com 11 anos, e agora ela é uma adulta.”

Os fãs crescerem, e ele também, e os caras com quem ele fazia música, também. Agora todos estão mais velhos e fazendo suas próprias coisas. Louis não é tímido sobre o fato de que eles não conversam o tempo todo. Como qualquer grupo de amigos que se juntam aos 16 anos, o relacionamento será muito diferente quanto tiverem 30.

Mas não é como se ele tivesse algo mal para falar sobre eles. Não tem indiretas sendo jogadas acusando um membro da banda de ser Ringo Starr, o homem que notoriamente saiu dos Beatles primeiro. Não tem comentários com piscadelas sobre não saber o que dizer a qualquer um dos outros membros se eles se encontrassem, pois a vida deles está coberta de ‘mistério’ ou algo. (Apesar disso, para ser justo, o tópico de Zayn é geralmente evitado.)

“Acho que todos os garotos concordariam. Há momentos nas nossas vidas onde naturalmente alguns conversam com uns do que com outros,” ele diz. “Eu não diria que sou mais próximo de qualquer um deles. Recentemente, eu conversei com Liam 10 vezes mais do que com os outros. Seis meses atrás, era Niall.”

Ele também foi rápido em dizer que não não está disposto a uma reunião. Se tivesse que adivinhar, ele seria o que começaria, “Ok garotos, vamos fazer isso,” com esse tipo de mensagem. Quando estavam na banda, ele sentia como se fosse um capitão do time pois era o mais velho.

Mas, se fosse acontecer, a música teria que ser diferente. As músicas eram ótimas, mas eram reflexivas do fato de que eram apresentadas por adolescentes, e ele toma cuidado ao dizer que gostaria de pegar especificamente da onde “Made in The A.M.” deixou. Entenda o que quiser. Entrem as teorias da conspiração.

Em relação a linha do tempo, de quando tudo aconteceria? Ele não tem certeza. Qualquer coisa além dos 35 parece longe demais, mas é difícil olhar tao longe quando está tentando viver seus últimos momentos de imaturidade.

“Qualquer coisa além dos 30 anos parece velho demais para mim agora,” ele diz.

 

Louis Tomlinson, uma nova direção
Publicado por Equipe LTBR em Entrevistas
30 novembro 2019

Com o seu álbum de estreia como artista solo a caminho, Louis concedeu uma entrevista à revista britânica Far Out, onde conta um pouco mais sobre o processo de criação do Walls e muito mais.

Sobre o seu processo de ajuste da One Direction para uma carreira solo, Louis revela:

“Naturalmente, eu me sinto como qualquer estrela solo – quanto mais tempo você está, mais experiências você ganha, e mais confiante você fica. Eu acho que levei um segundo para descobrir quem eu sou musicalmente, para me desanexar completamente da One Direction e coisas assim, mas eu sinto que estou lá agora. Então, naturalmente, eu estou mais confiante na minha habilidade de composição, estou mais confiante performando e cantando. Isso me faz bem.”

Após a separação da banda, pareceu, para Louis, que não havia uma direção clara para onde a sua carreira iria levá-lo. Com colaborações com Steve Aoki e Bebe Rexha, ambas performaram comercialmente bem, e houve uma direção criativa que deixou mais perguntas do que respostas. Ainda naquele ano, ele postou em suas redes sociais uma declaração para alegar que ele estava virando a página, que ele estava farto de seguir uma fórmula com a tentativa de perseguir a rádio e, em vez disso, queria fazer a música que amava.

Declaração de Louis via Twitter

Aquele momento foi o começo do segundo capítulo da sua carreira solo, o qual ele expandiu ao olhar para os seus momentos difíceis com uma pitada de honestidade, como sempre.

“Eu achei que isso [música para entrar nas rádios] não seria autêntico. Como eu digo, a indústria musical é uma constante batalha, mas eu acho que estou ganhando no momento. Eu estava farto de fazer sessões de escrita onde eu não me identificava. Eu podia provavelmente ter um sucesso comercial com minhas músicas [se elas fossem direcionadas às rádios] mas eu tive o luxo de já ter presenciado isso com a One Direction e eu pensei ‘o que o sucesso significa para mim?’, então eu precisei seguir meu coração, e se eu conseguisse ganhar algo com isso, seria como ganhar duas vezes.“

Walls, o álbum de estreia de Louis já está disponível para a pré-venda.

• iTunes – https://music.apple.com/br/album/walls/1482184174

• Google Play – https://play.google.com/store/music/album/Louis_Tomlinson_Walls?id=B5z6nhs4aigrywmonjgcfo7ixha&hl=pt

 

Entrevista traduzida pela equipe do LTBR. Leia a íntegra: https://faroutmagazine.co.uk/louis-tomlinson-interview-new-direction/

“Não quero que as pessoas sintam pena de mim. Eu quero que as pessoas se sintam bem quando escutarem minha música.”

Em entrevista à GQ Magazine, Louis conversou sobre o processo de composição, seu álbum de estreia como artista solo e sua experiência dentro e fora da One Direction. Além de também falar sobre aposentadoria e sobre seu filhinho Freddie! Confira a tradução:

Eu passei muito tempo ‘pisando na água’. Tentando descobrir onde me encaixava na indústria [musical]. Eu tive que descobrir o que realmente me trazia conforto. Eu senti que precisava disso. Diferentemente de Zayn e Liam, que lançaram músicas obviamente influenciadas pelo hip-hop e R&B, eu não consigo me relacionar com esses ‘sons urbanos’ que você escuta nas rádios americanas. Catfish And The Bottlemen, por exemplo, é convencional e honesto liricamente. É onde eu quero estar.”

Sobre o que ele gostaria que as pessoas sentissem ao ouvir suas músicas, Louis responde:

Eu quero que as pessoas me considerem um compositor bom e credível. No geral, o que eu quero das minhas letras é honestidade. Eu quero que elas sejam reais. Eu não quero algo estilo Hollywood ou artificial. A maior parte do meu álbum é muito autobiográfica, mas também tomei o cuidado de mantê-lo inédito e emocionante.”

Sobre ‘Two Of Us’, música em homenagem a sua mãe Johannah, Louis disse:

Essa é uma música muito honesta, mas também muito pesada emocionalmente. Eu não quero ser conhecido como esse cara. Não quero que as pessoas sintam pena de mim. Eu quero que as pessoas se sintam bem quando escutarem minha música.”

Juntamente com Liam Payne, Louis compôs muitas músicas enquanto esteve na One Direction, o que, para ele, foi algo que ele precisava ter feito para finalmente encontrar seu papel na banda.

 “Definitivamente, houve momentos na banda em que eu senti que poderia fazer mais ou cantar mais, e foi por isso que tentei melhorar como compositor, porque achei que seria a minha saída.”

Louis confirma que já entende o que quer para suas futuras canções, mas admite que está preocupado que as fãs da One Direction passem a não gostar de suas novas músicas.

É isso que cria um pouco de um enigma, na verdade, porque isso [opinião das fãs] é muito relevante para mim. Eu sinto que, até certo ponto, todos nós [membros da One Direction] devemos algo a elas. Estamos onde estamos por causa delas, e é simples assim.

Apesar de incríveis experiências vividas com a banda, Louis passou por momentos sombrios onde não sentia-se totalmente confiante consigo mesmo. Ele admite:

Se eu tivesse feito essa mesma entrevista há dois anos, eu lhe diria que, se meu álbum não chegasse ao número 1 [nos charts], sentiria que havia falhado. Me envergonha dizer essa m*rda em voz alta agora, mas foi preciso uma verdadeira maturidade para entender que a One Direction não era a realidade. Tudo o que eu estava moldando, todas as minhas experiências foram algo que não eram reais, mesmo estando na vida real.“

No entanto, agora Louis parece ter finalmente encontrado um equilíbrio em sua vida profissional e pessoal. Ele adora passar o tempo com seu filho de três anos, Freddie. Ele até confirmou que quer matricula-lo em um time de futebol, e diz que se tornar um pai definitivamente o mudou como pessoa.

Sinto que estou em um lugar estranho com a minha idade, onde posso escolher quem quero ser hoje. Eu serei o pai e o irmão responsáveis ​​e tentarei sempre parecer decisivo e inteligente? Ou viverei como se eu ainda tivesse 18 anos? Eu vivo balançando entre essas duas mentalidades.”

Agora, o que todos queremos saber é se que Louis já pensou em se aposentar dos olhos do público? Ele responde:

Eu pensei sobre isso muitas vezes. Mas tudo é sobre as fãs, e o fato de eu ter um ponto a provar para mim mesmo, que me faz levantar todos os dias e continuar fazendo isso. Quando eu tiver 50 anos, vou pegar meus crachás de treinamento e gerenciar algumas equipes de jovens e ganhar a Copa da Juventude com eles.

As pessoas e a imprensa adoram dizer: ‘Ah, A e B vão se sair bem, mas o resto dos rapazes não farão nada.’ Então, o que estou tentando provar é que ainda estarei aqui em dez anos, assim espero.”

Assista e saiba tudo o que rolou no Late Late Show!
Publicado por Equipe LTBR em Álbum, Entrevistas, LT1
20 junho 2019

Para animar a nossa semana, Louis participou de um episódio especial do programa de talk show noturno The Late Late Show com James Corden. Além de Louis, outros artistas participaram do episódio tais como Ian McKellen, Simon Pegg e Chris Hemsworth.

No programa, James apresentou Louis e disse que como um artista solo, ele já ultrapassou mais de 1 BILHÃO de streams. Além disso, Louis revelou que irá lançar 2 ou 3 singles de uma só vez e falou também da tão aguardada turnê, no qual ele espera começar em 2020!

Sobre sua infância na cidade de Doncaster, Louis disse:

“Você tem que ser esperto quando é mais jovem. Em vez de fazer a coisa clássica de Donny, que é roubar algo, eu simplesmente tirava a etiqueta promocional e substituía pelo preço da comida que eu queria.”

Durante a entrevista, ambos relembraram um momento de 2015 onde James e Louis imitaram uma cena de James Bond. Ficou curioso?! É só descer mais a página para assistir ao programa. O vídeo legendado pela nossa equipe estará disponível em breve.

Confira as fotos promocionais do episódio em nossa galeria, clicando nas miniaturas.

Aparições & Outros Eventos • Appearances & Other Events > 2019 > 19/06 – The Late Late Show

D9eb33eWkAENiij.jpgD9euLC7UIAA5kco.jpgD9eb33dWsAABzOV.jpgD9eb33eX4AA1Ce2.jpg

Você pode conferir a participação de Louis no programa a partir do minuto 17:00.

Louis fala sobre turnê, álbum e carreira ao G1
Publicado por Equipe LTBR em Entrevistas
27 maio 2019

Durante a promo de seu novo single Two Of Us em Março, Louis concedeu uma entrevista por telefone ao site brasileiro G1 – onde falou sobre sua música, seu primeiro álbum solo, turnê e muito mais!

“Não foi tão difícil compor, porque, no fundo, a partir do momento que começa a compor é mais profissional. Obviamente é muito emocionante, mas eu sinto mais emoção quando eu escuto a música pela primeira vez ou toco no show.”

Durante a entrevista, Tomlinson disse que pretende lançar mais uma ou duas músicas antes do novo álbum, previsto para sair no final de 2019. “Espero anunciar uma turnê ao mesmo tempo em que ele for lançado. São meus dois maiores planos: terminar o álbum e pegar a estrada.”

Para superar o trauma de perder a mãe tão cedo, o cantor conta que se apoiou na música e nos fãs. “A reação deles com a música foi incrível e me deu confiança. Eles são sempre maravilhosos… A música é muito importante para mim. Limpa minha mente.”

Mas ele conta que quis colocar “diferentes sentimentos” no disco. “A próxima música espero que seja um single good vibes.”

Depois de Steve Aoki, em “Just Hold On”, e Bebe Rexha em “Back to You”, Tomlinson diz que não pretende fazer mais parcerias neste ano. Quer dar um “tom artístico próprio ao álbum”.

Volta do One Direction?

Tomlinson viu sua carreira ganhar projeção ao fazer parte da banda inglesa One Direction, revelada no programa “The X Factor”. Questionado se a boy band pode voltar a se reunir, ele responde tranquilamente:

“É inevitável que um dia a gente volte, mas eu acho que todos estão gostando da liberdade de tocar as carreiras solos.”

Harry Styles, Liam Payne, Niall Horan e Zayn Malik formaram a banda em 2010 e tocaram juntos até 2016, com exceção do último que deixou o grupo em 2015. Tomlinson afirma que mantém contato com todos e que eles mandaram mensagem falando sobre a nova música dele.

No dia da entrevista, saíram notícias de que o cantor teria ficado chateado com Zayn Malik, porque ele foi o único do grupo que não foi a sua primeira apresentação após a morte de sua mãe.

Ao ser perguntado pelo G1 sobre isso, um assessor interrompeu a entrevista e disse “não estamos falando sobre Zayn”.

Ainda não dá para saber se os planos de Tomlinson serão modificados após a morte de sua irmã, mas como a promessa é turnê e disco, o Brasil deve estar entre os países.

“Tivemos shows incríveis no Brasil com o One Direction e vejo sempre um apoio incrível pela internet”, elogia o cantor.

“Só queria dizer muito obrigada por apoiarem as músicas do One Direction e as minhas músicas. Obrigada pela paciência, o álbum vai vir esse ano. Espero que possa ver vocês logo.”