“Não quero que as pessoas sintam pena de mim. Eu quero que as pessoas se sintam bem quando escutarem minha música.”

Em entrevista à GQ Magazine, Louis conversou sobre o processo de composição, seu álbum de estreia como artista solo e sua experiência dentro e fora da One Direction. Além de também falar sobre aposentadoria e sobre seu filhinho Freddie! Confira a tradução:

Eu passei muito tempo ‘pisando na água’. Tentando descobrir onde me encaixava na indústria [musical]. Eu tive que descobrir o que realmente me trazia conforto. Eu senti que precisava disso. Diferentemente de Zayn e Liam, que lançaram músicas obviamente influenciadas pelo hip-hop e R&B, eu não consigo me relacionar com esses ‘sons urbanos’ que você escuta nas rádios americanas. Catfish And The Bottlemen, por exemplo, é convencional e honesto liricamente. É onde eu quero estar.”

Sobre o que ele gostaria que as pessoas sentissem ao ouvir suas músicas, Louis responde:

Eu quero que as pessoas me considerem um compositor bom e credível. No geral, o que eu quero das minhas letras é honestidade. Eu quero que elas sejam reais. Eu não quero algo estilo Hollywood ou artificial. A maior parte do meu álbum é muito autobiográfica, mas também tomei o cuidado de mantê-lo inédito e emocionante.”

Sobre ‘Two Of Us’, música em homenagem a sua mãe Johannah, Louis disse:

Essa é uma música muito honesta, mas também muito pesada emocionalmente. Eu não quero ser conhecido como esse cara. Não quero que as pessoas sintam pena de mim. Eu quero que as pessoas se sintam bem quando escutarem minha música.”

Juntamente com Liam Payne, Louis compôs muitas músicas enquanto esteve na One Direction, o que, para ele, foi algo que ele precisava ter feito para finalmente encontrar seu papel na banda.

 “Definitivamente, houve momentos na banda em que eu senti que poderia fazer mais ou cantar mais, e foi por isso que tentei melhorar como compositor, porque achei que seria a minha saída.”

Louis confirma que já entende o que quer para suas futuras canções, mas admite que está preocupado que as fãs da One Direction passem a não gostar de suas novas músicas.

É isso que cria um pouco de um enigma, na verdade, porque isso [opinião das fãs] é muito relevante para mim. Eu sinto que, até certo ponto, todos nós [membros da One Direction] devemos algo a elas. Estamos onde estamos por causa delas, e é simples assim.

Apesar de incríveis experiências vividas com a banda, Louis passou por momentos sombrios onde não sentia-se totalmente confiante consigo mesmo. Ele admite:

Se eu tivesse feito essa mesma entrevista há dois anos, eu lhe diria que, se meu álbum não chegasse ao número 1 [nos charts], sentiria que havia falhado. Me envergonha dizer essa m*rda em voz alta agora, mas foi preciso uma verdadeira maturidade para entender que a One Direction não era a realidade. Tudo o que eu estava moldando, todas as minhas experiências foram algo que não eram reais, mesmo estando na vida real.“

No entanto, agora Louis parece ter finalmente encontrado um equilíbrio em sua vida profissional e pessoal. Ele adora passar o tempo com seu filho de três anos, Freddie. Ele até confirmou que quer matricula-lo em um time de futebol, e diz que se tornar um pai definitivamente o mudou como pessoa.

Sinto que estou em um lugar estranho com a minha idade, onde posso escolher quem quero ser hoje. Eu serei o pai e o irmão responsáveis ​​e tentarei sempre parecer decisivo e inteligente? Ou viverei como se eu ainda tivesse 18 anos? Eu vivo balançando entre essas duas mentalidades.”

Agora, o que todos queremos saber é se que Louis já pensou em se aposentar dos olhos do público? Ele responde:

Eu pensei sobre isso muitas vezes. Mas tudo é sobre as fãs, e o fato de eu ter um ponto a provar para mim mesmo, que me faz levantar todos os dias e continuar fazendo isso. Quando eu tiver 50 anos, vou pegar meus crachás de treinamento e gerenciar algumas equipes de jovens e ganhar a Copa da Juventude com eles.

As pessoas e a imprensa adoram dizer: ‘Ah, A e B vão se sair bem, mas o resto dos rapazes não farão nada.’ Então, o que estou tentando provar é que ainda estarei aqui em dez anos, assim espero.”